Otorrinopediatrica

Sono e respiração

O sono de uma criança deve ser sempre observado pelos pais. Este sono deve ser tranquilo e silenciosos.  O ronco é um sinal de desconforto respiratório.

Crianças que roncam várias vezes por semana, durante parte ou toda a noite devem ser avaliadas, pois apresentam algum grau de obstrução das vias aéreas superiores.

As crianças podem apresentar apenas roncos ou em situações mais graves, entretanto não pouco comuns, há a apneia obstrutiva do sono.

O distúrbio respiratório do sono traz diversas repercussões interferindo sobremaneira na qualidade de vida da criança. Deve-se ressaltar as seguintes comorbidades:

  • Distúrbios do crescimento pondero-estatural
  • Agitação, impulsividade, ansiedade e até mesmo problemas comportamentais e disciplinares
  • Enurese noturna – perda da urina na cama
  • Problemas cognitivos e mal desempenho escolar
  • Diminuiçào da pressão pulmonar inspiratória e menor volume pulmonar
  • 3,3 % das crianças podem apresentar sobrecarga cardíaca decorrente do esforço respiratório.

A condição mais frequentemente associada a apneia obstrutiva do sono em crianças é o aumento das tonsilas (amigadalas e adenoide).  Cerca de 50% dos individuos com aumento das tonsilas têm apneia obstrutiva do sono.

A historia, o exame físico e exames complementares como a nasofibroscopia ou radiografia de cavum levam à suspeita diagnóstica. Entretanto, a confirmação dos eventos apneicos, se estes não tiverem sido presenciados deve ser feita através da polissonografia.

A criança apresenta critérios de normalidade diferentes do adulto, sendo que se o  índice de apneia-hiponeia for igual ou maior que 1, já se considera Apneia Obstrutiva do sono.

O tratamento para estes casos é a adenoamigdalectomia.

São situações de maior risco para apneia obstrutiva do sono além dos descritos acima, a obesidade, síndrome de Down, mal formações craniofaciais, distúrbios neuromusculares e mucopolissacaridoses.

GN1
Copyright © 2017 - Fundação Otorrinolaringologia - All rights reserved