Otorrinopediatrica

Otites

As crianças comumente apresentam infecções de vias aéreas superiores, sendo as mais freqüentes otites, amigdalites e sinusites.  Muitos fatores podem  desencadear estas infecções, sem os mais comuns; quadros virais, transmissão uma criança para outra, anatomia própria da criança, alergias, respirar pela boca,  a falta do aleitamento materno, freqüência em creches ou entrada precoce na escola, em casos mais raros deve-se a distúrbios da imunidade.

As otites podem ser médias ou externas:

Otites médias:

As otites médias são muito comuns em crianças até por volta dos 6 anos de idade. Isso deve-se à própria anatomia da criança. A orelha média comunica-se com o nariz, através de um pequeno ducto que se chamado tuba auditiva. Nas crianças esta apresenta uma posição mais horizontal, o que favorece as infecções (Figura).

Alguns fatores predispõem as crianças às otites médias, como a obstrução nasal, respiração pela boca, desmame do aleitamento precoce, e principalmente  a falta dele e ainda a iniciação na vida escolar ou mesmo na s creches antes dos 2 anos de idade.

Os sintomas das otites médias agudas são bem marcantes, com cursam em geral com febre, dor intensa, que nos bebês apresenta-se como irritabilidade e choro geralmente acompanhados de febre.  O tratamento depende sempre da avaliação médica quem vai definir se será necessário tratamento com antibióticos ou não.  Os sinais sugestivos de uma otite média aguda pode variar de acordo com a idade.

Alertas e sinais:

Recém nascidos e lactentes:

  1. Choro, irritabilidade
  2. Febre
  3.  Vômitos
  4. Drenagem de secreção do ouvido

Pré escolar

  1. Dor de ouvido intensa
  2. Sinais de desequilíbrio
  3. Nauseas e vômitos
  4. Drenagem de secreção no ouvido
  5. Febre

Escolares e adolescentes

  1. Dor intensa
  2. Sensaçào de pressão no ouvido
  3. Vertigem ou sintomas de desequilíbrio
  4. Diminuição da audição
  5. Febre

Todas as crianças devem ser reavaliadas, algumas semanas após um quadro agudo, pois pode haver peramência das secreções na orelha média e portanto  levar a algun déficit da audição.

A otite média secretora é uma situação de especial atenção. Trata-se de um quadro : silencioso, onde o sintoma principal é a perda auditiva leve a moderada, que raramente é referida pela própria criança. Nesta condição a orelha média permanece com secreção por várias semanas, sendo seus fatores desencadentes os mesmos acima, acrescentando-se também as desarmonias da estrutura craniofacial.

Como se disse, o sintoma principal é a perda auditiva sendo potencialmente devastadora, na faixa de aquisição da fala, aumento os vocabulário e alfabetização. Os pais devem estar atentos a sintomas de perda auditiva.

Sintomas de perda auditiva na otite secretora:

  • Atraso no desenvolvimento da fala
  • Trocas de fonemas persisitente
  • pedir para aumentar o som da TV ou ficar próximo desta
  • entende mal novas palavras
  • troca fonemas na fala ou troca letras na escrita
  • frequentemente pede para se repetir o que se fala.

O diagnóstico deve ser feito logo que se suspeite, através dos sintomas mencionados, cabendo ao médico solicitar exames que avaliem o grau de perda auditiva e assim, determinar o melhor tratamento.

O tratamento pode ser clínico, com medicamentos e nos casos mais refratários deve-se indicar o trataemento cirúrgico onde é feita uma pequena incisão no tímpano, para aspirar as secreções  e podendo-se ou não optar pela colocação de um tubo de ventilação (Clique aqui para ver o link da reportagem do OUVIR BEM).

As otites crônicas ou supurativas são situações mais crônicas , onde há supuração de secreção purulenta pelas orelhas, de forma frequente.  Estas situações levam também a alterações auditivas e são mais graves. Neste grupo incluem-se as otites colesteatomatosas ou colesteatoma e seu tratamento é cirúrgico.

GN1
Copyright © 2017 - Fundação Otorrinolaringologia - All rights reserved